notícias

Flávia G. Pinho

SÃO PAULO A recuperação das franquias superou as expectativas do setor. "No terceiro trimestre de 2021,

voltamos ao patamar de 2019. Esperávamos crescer 8% no acumulado do ano, mas tudo indica que

chegaremos aos 9%", afirma André Friedheim, presidente da ABF (Associação Brasileira de Franchising).

 

Com base no desempenho das franquias neste ano e na capacidade de adaptação de alguns segmentos

às demandas geradas pela pandemia, Friedheim diz ser possível fazer algumas apostas para 2022.

 

franquias.jpg

Veja quais áreas mais promissoras para investir

em franquias em 2022

Crescimento do franchising neste ano superou as expectativas do setor

16/12/2021

O ramo de turismo e hotelaria ocupa o topo da lista. De acordo com a Pesquisa Trimestral de Desempenho do Setor, realizada pela ABF, o crescimento do setor no terceiro trimestre foi de 53,1%, impulsionado pela demanda reprimida. "Principalmente o turismo local voltou com força, o que deve estimular as franquias de agências, empresas de locação de veículos e redes hoteleiras", diz ele.

Outra área que se destacou na pandemia e promete se manter em alta é a de educação, com destaque para redes que se adaptaram bem ao formato híbrido. Entram nessa categoria os cursos de idiomas, os preparatórios para concursos públicos e os de especialização, como o profissionalizante de designer de games.

"As pessoas aprenderam na pandemia que os cursos online representam uma oportunidade de maior qualificação. Acabou o preconceito em relação ao ensino a distância", afirma o presidente da ABF.

No setor de alimentação, algumas mudanças impostas pela pandemia devem permanecer, como o incremento do delivery e a proliferação de dark kitchens, que ajudaram a enxugar custos e simplificar operações. Essa é a opinião de Leonardo Lara, diretor comercial da consultoria Conexão Franquias. "Já vemos até cozinhas compartilhadas", diz.

Os quase dois anos de crise sanitária também impulsionaram o surgimento de novos modelos de franquias, que têm tudo para continuar em alta. Ganharam força as lojas físicas mais compactas, idealizadas para cidades menores, e os pontos alternativos —caso dos quiosques implantados em supermercados e home centers e das unidades formatadas para condomínios residenciais, como minimercados e lavanderias.

Microfranquias, que tiveram o teto de investimento revisto em 2021 com base nos critérios do Banco Mundial —agora, entram nessa categoria as redes com preço até R$ 105 mil—, vão continuar alavancando o franchising brasileiro, de acordo com as projeções da ABF.

Dentro desse grupo, mantêm destaque o formato homebased, que dispensa a necessidade de ponto fixo, e as franquias do segmento de serviços, sobretudo as especializadas em cuidados de idosos, venda e instalação de equipamentos de energia solar e limpeza.

Fonte: Folha de S. Paulo